terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

DE VOLTA PARA CASA



O filho mais novo da parábola do Filho Pródigo, após viver prazeres passageiros que o mundo oferece, coisas perecíveis, que logo passam, estava sofrendo necessidades. Foi cuidar de porcos, animais impuros para os judeus. De fome, desejava comer o que os porcos comiam. Era uma grande humilhação! O que valia, naquela hora, todo o dinheiro gasto nas festas? Onde estariam seus amigos, que estiveram com ele quando ele tinha recursos? O dinheiro acabou e os amigos sumiram. No pior dos lugares – o fundo do poço – o jovem caiu em si e decidiu voltar a seu Pai. Planejava nem ser mais filho, apenas servo.


Foi ter com seu Pai. Interessante é observar que o Pai estava esperando por ele. E porque? Seu Pai sabia que o filho reconheceria ser a Sua casa o melhor lugar para ficar. A experiência do Pai o impelia a ter esperanças do retorno do filho, e sempre estava olhando ao longe, esperando por um encontro com o filho.

Quando o Pai o viu, correu ao encontro do filho. Alegrou-se por seu retorno. Não quis ouvir desculpas pelos erros do passado, e sim mostrava uma nova vida, um recomeço para o rapaz. Ele era filho e o Pai desejava que seus filhos estejam com Ele. A casa do Pai é o melhor lugar para estar. Ali o moço encontraria consolo, conforto, carinho e atenção não passageiras, mas sempre presentes.

O pródigo recebeu presentes de seu pai: novas vestes, para ele esquecer do passado e estar pronto a viver a vida plena que o Pai a deu; um anel, para ele assumir sua identidade de filho amado e sandálias para que ele pudesse enfrentar as lutas dessa nova vida vitoriosamente.
Grande festa aconteceu pelo retorno do filho, e hoje também pode acontecer grande festa no céu. Se você é um filho pródigo, que está longe da casa do Pai, volte para a sua casa. 
Venha logo! Não pense nos olhares nem deixe que o passado te engane e te leve para mais fundo deste poço. Viva a vida abundante que o Pai deseja te dar. Só o Senhor pode te dar salvação, e Ele sempre está de braços abertos, ansioso pelo seu retorno. 

Recomeçar, de onde eu errei,
Senhor, vem me sondar
Abrir meu coração
Vem comigo caminhar
Me dizer o que fazer para continuar
Reconstruir,  o vaso foi quebrado
Quando eu me troquei
Por um momento de prazer
Um prato cheio de pecado
Senhor, nem sei o que dizer
Só peço outra vez em ti recomeçar
Me arrepender e me render
Em tua presença eu quero Pai, recomeçar
Mais uma vez a tua mão
Me levantar denovo,
Eu vou recomeçar

(“Recomeçar” - Sérgio Lopes)



                                            Por Luiz Pereira


Nenhum comentário:

Postar um comentário