terça-feira, 27 de setembro de 2011

SALOMÃO E OS LÍRIOS DO CAMPO


Mt 6.28,29

Vemos dois paralelos nestes versículos, cujo fim é igualmente distante quanto o é o início. Dois caminhos que todos nós podemos seguir, mas que nos levam para realidades totalmente diferentes.

Um desses caminhos é o caminho de Salomão e o outro o caminho dos lírios do campo.

Salomão, conforme nos contam os registros bíblicos, foi o maior do reis de Israel. Teve um reinado próspero, de paz, muitas riquezas e poder. Porém, seguir pelo caminho de Salomão é escolher o poder que corrompe, é ter experiência com Deus e ainda assim construir para si ídolos, é se deixar levar pela glória que é dada pelo homem, é ser o mais sábio entre os homens mas esquecer-se de que essa sabedoria vem de Deus. Seguir por este caminho é seguir o caminho da auto-indulgência, da loucura da síndrome do poder. É seguir o caminho de um homem que passou a vida correndo atrás do vento.

De Salomão nós podemos dizer que sua maior sabedoria foi arrepender-se e declarar: tudo é vaidade e correr atrás do vento.

Muitas vezes agimos como Salomão, buscando auto-afirmação, prazeres, riquezas e poder que nos coloquem em uma posição de destaque entre os homens, passamos nossas vidas correndo atrás do vento.

Mas não é assim que Jesus nos ensina. Ele nos ensinou a sermos como os lírios do campo. Porque escolher o caminho dos lírios, é fazer a escolha da confiança na providência daquele que cuida e que faz nascer o sol sobre maus e bons, justos e injustos. É assumir a própria fraqueza e incapacidade de acrescentar um metro sequer ao curso da sua vida.

É fazer como Abel, que não tinha preparado nada para oferecer a Deus. Nada que tenha feito com as próprias mãos, nada do seu suor, nada do seu talento, nada que ele tenha criado ou feito crescer, mas pegou um cordeiro que não lhe custava nada, um cordeiro que o próprio Deus havia lhe dado, levou até Ele e pediu: “Senhor, aceita este animal que tu mesmo me destes, aceita como sacrifício em meu lugar”. E Deus o recebeu porque mais adiante em Hebreus 11:4 está escrito que pela fé Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim.

Seguir o caminho dos lírios é seguir o caminho da fé, da confiança, da dependência. É crer que o Deus que cuida dos pardais e dos lírios também cuida de nós.

Que essa palavra possa entrar no seu coração, você que pode estar agindo hoje como Salomão, buscando se auto-justificar diante de Deus, procurando a glória dos homens, os prazeres desse mundo. Saiba que, assim como Abel, nós não temos sacrifício que oferecer a Deus, mas Ele mesmo providenciou o sacrifício em nosso lugar e o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo é Jesus Cristo, que te convida a viver como um lírio do campo.

Por Angércio Alexanzito

sábado, 24 de setembro de 2011

AS PESSOAS SÃO DIFERENTES?


Certo dia um conhecido meu, ao ser perguntado por mim sobre sua fé, respondeu com toda a sua sinceridade que as pessoas são diferentes. Alguns creem em Deus, mas não querem relacionar-se com Ele; outros creem e poem sua confiança completamente nEle; outros pensam que ter Deus é ter religião e outros nem em Deus creem. É, as pessoas são diferentes. Cada um tem a opção de crer ou não, de viver com ou sem Deus. Opção individual, estilo de vida.

Entretanto, caro leitor, quero te trazer à reflexão algumas coisas que são comuns a todas as pessoas. O apóstolo Paulo na epístola de Romanos nos afirma: “Porque TODOS pecaram e estão separados da glória de Deus” (Rm 3.23). O grifo em todos foi meu e proposital, para mostrar que ninguém é excluído do pecado. Não há justo, não há quem, por mais religioso que seja, por mais autosufiente que seja, não há NINGUÉM que seja livre do pecado. Está intrínseco ao ser humano decaído. O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, mas com o pecado de Adão no Éden este ato contra Deus tornou-se comum a TODOS os descendentes. A separação de Deus é real. A morte passou a existir. A distância da perfeição é perceptível no orgulho do ser humano. É uma busca incessante por preenchimento, mas isso é a lacuna de Deus.

Nosso irmão Paulo, entretanto, continua: “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus” (Rm 3.24). Por Cristo, TODOS foram justificados. A justiça de Deus para o homem exigia a morte. Não há como Deus convir com o pecado. Pecado é morte. Deus, ao enviar seu Filho Jesus, pôs sobre Ele todos os pecados da humanidade, trazendo para TODOS  a justificação. E o melhor ainda: de graça. Não é conseguido por méritos. Não é obtido por boas ações. É graça! Favor imerecido! A salvação não está a venda. A salvação é para todos: “Por que Deus amou o mundo de uma tal forma que deu o seu Filho Unigênito para que TODO aquele que nEle crer não pereça mas tenha a vida eterna.” (Jo 3.16). Cristo é a ponte que nos leva de volta para Deus. Deus possui o tamanho exato do vazio do ser humano.

Outra coisa que é comum a todos os homens é que “TODOS nós havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo.” (Rm 14.10) TODOS hão de prestar contas. Não há um que esteja livre. O que fizermos, bom ou mal, TUDO será apresentado perante Cristo. Sem Cristo, só há condenação. Entretanto, se o aceitarmos, a cruz passa a valer. O sacrifício dEle que purifica e justifica nossa vida é que passa a valer. As consequências de nossos pecados poderemos enfrentar enquanto vivermos nessa terra, mas, se estivermos agarrados e rendidos ao sacrifício de Cristo, estaremos salvos.

Santificação. É difícil crer porque as pessoas não querem abrir mão dos seus ideais e prazeres, mas é fato de que “Sem santificação NINGUÉM verá o Senhor.” (Hb 12.14). A santificação é um processo que ocorre após a justificação. Não há como se encontrar com Deus e ficar do mesmo modo, assim como não há como ser atropelado por um caminhão e sair ileso. Deus é santo e Ele deseja santidade de nós, total separação do mundo. Essa separação não quer dizer isolação, mas Deus nos salvou para fazermos diferença, sendo sal e luz, vivendo de acordo com a palavra dEle, fazendo sua vontade, influenciando o mundo para Deus.

Que as pessoas são diferentes, isso eu concordo. Que todos tem a opção, o livre arbítrio, dado pelo próprio Deus, de aceitarem ou não, é a realidade. Mas difícil é acreditar como tanta gente ainda não reconheceu sua completa necessidade de Deus.

Que você e eu possamos estar prontos para escolher Deus, para que possamos estar juntos naquele grande Dia em que TODO o joelho se dobrará e adorará o único digno: JESUS CRISTO!

Na luta contra a religiosidade,

Luiz Pereira.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

A PARÁBOLA DAS SETINHAS


Dia desses eu e um amigo muito chegado discutimos sobre setas. Na verdade, para ficar mais claro, sobre correspondência. Em qualquer relacionamento, é necessária e louvável a correspondência. Como é chato e triste quando o amor ou a amizade só vem em um sentido. Na nossa conversa, veio a questão de ações. O que fazer para mostrar a correspondência? Como demonstrar a “setinha de volta”? Ora mais, nada mais simples do que fazer o que é agradável a outra pessoa. Quando há uma intimidade, os participantes dela se conhecem, sabem o que agrada e o que desagrada. Se a setinha em um sentido não está tão forte quanto no sentido contrário, é hora de corresponder, de mostrar que a relação não é individual, mas que é correspondida.

Estamos falando muito sobre relacionamento interpessoais. Se formos focar em nosso relacionamento com Deus, observaremos algo muito inacreditável. Uma seta gigantesca está em nossa direção. E quão gigante ela é: “Por que Deus amou o mundo DE UMA TAL FORMA que deu o Seu Filho unigênito para que todo aquele que nEle crê não pereça mas tenha a vida eterna.”(Jo 3.16). Não há amor maior que esse! O maravilhoso amor de Deus! Quão grande seta está em nossa direção! Nos alcança, nos preenche, nos envolve... maravilhoso amor.

Quando pessoas não correspondem nossos sentimentos ficamos tristes. Imagine então Deus. Você pensa que ele não fica triste quando não aceitamos e correspondemos ao Seu amor? Ele nos deu o direito de rejeitarmos, mas essa não é a vontade dEle. “Pois Ele deseja que todos cheguem ao pleno conhecimento da verdade.” (1 Tm 2.4). Ele deseja que correspondamos ao Seu amor.

Mas como corresponder a Esse tão grande amor? Nós nunca conseguiremos enviar uma seta tão grande! Uma frase bem famosa que diz: “Não há nada que você possa fazer para que Deus te ame, e não há nada que você deixe de fazer que ele deixe de te amar.” Realmente, nada será suficiente para ‘igualar’ as setas. Ele nos ama de uma maneira completa. A única forma de ‘tentarmos’ corresponder a Ele é se nos rendermos completamente! Isso mesmo, total entrega. Dependência dEle, vida para Ele, entrega total! No nosso relacionamento diário, nossas ações serão para agradá-lo.

Ele tem ciúmes de nós. Ele nos ama e deseja nos ter completamente. Ele fica triste quando perdemos tempo em relacionamentos que atrapalhem o nosso com Ele. Ele deseja exclusividade! Será que ele está exigindo demais? Com um amor tão grande derramado em nossos corações, isso não é exigir! Inundados desse amor e dessa graça, que nos rendamos e digamos: “Somos completamente teus”.

Que nossas ações sejam para corresponder o amor de Deus. Que a cada dia nossa setinha sempre aumente. Que nossa rendição seja total! Ele nos amou e nos ama! Que o amemos também!

Cheio desse amor,

Luiz Pereira.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

GIRO PELO MUNDO - Ore pelos cristãos do ao redor do mundo

PAQUISTÃO

Acusada de Blasfêmia - Ásia Bibi

Segunda-feira, 8 nov, Paquistão : uma mulher, Ásia Bibi, 45 anos, foi condenado à morte após ter sido acusado de blasfêmia contra o profeta Maomé. O veredicto foi pronunciado pelo Tribunal de Sheikhupura, uma cidade da província de Punjab, leste do Paquistão. Esta é a primeira vez que um tribunal do país decretou a pena de morte para esse crime. Seu crime foi de tornar impura a água que os seus colegas de campo beberiam e por isto foi processada, e a acusaram de blasfemia contra o profeta Maomé.

Muçulmanos atacam propriedades cristãs no Paquistão

Centenas de muçulmanos em Gujranwala atacaram casas e escolas cristãs e o prédio da igreja Presbiteriana depois de saberem que a polícia liberou dois cristãos acusados de blasfêmia – em meio a relatos de profanação do Alcorão.

Mushtaq Gill e seu filho Farrukh foram liberados na sexta à tarde 
após um especialista em caligrafia afirmar que não foram eles que escreveram um bilhete ameaçador ao lado de páginas queimadas do Alcorão. Após serem libertados, os dois foram levados para um local seguro com os membros de sua família.

Ataques de jovens muçulmanos

Dois cristãos foram mortos a tiro e outros dois estão gravemente feridos após ataque de jovens muçulmanos na saída do prédio de uma igreja em Hyderabad, no dia 21 de março, segundo testemunhas.

Moradores de Hurr Camp, uma colônia de trabalhadores cristãos, em Hyderabad, na Província de Sindh, estavam comemorando a festa de aniversário de 30 anos da igreja do Exército da Salvação quando um grupo de jovens muçulmanos se reuniu fora do prédio e começou a colocar música em alto volume em seus celulares. De acordo com relatos, eles também começaram a provocar as mulheres cristãs que chegavam para a celebração.

CHINA

Depois de dois anos, cinco líderes de igrejas domésticas foram libertados dos campos de trabalho forçado, de acordo com a Voz dos Mártires. Os líderes foram presos em 2009, quando mais de 400 policiais locais e especiais atacaram uma igreja na China.
Dezenas de pessoas foram hospitalizadas e cinco outros líderes foram condenados a sete anos de prisão. Os cinco que foram enviados a campos de trabalho forçado estão muito felizes por terem saído daquele tormento, mas agora pedem oração para que os outros cristãos também sejam libertos.

Em 1949, o presidente Mao Zedong declarou que a China seria a República da China e adotou o comunismo como um modelo sociopolítico. Logo, as autoridades procuraram um modo de limpar todos os vestígios de religião.


IRÃ

Uma agência de direitos humanos cristã recebeu relatos de que ”Mathias” Abdolreza Haghnejad, pastor de uma Igreja evangélica do Irã, foi preso novamente, na cidade de Bandar Anzal.

A prisão ocorreu em 17 de agosto, na cidade de Rasht, por autoridades iranianas, quando Haghnejad fazia uma visita pastoral. 
De acordo com uma nota de imprensa divulgada pela Christian Solidarity Worldwide (CSW), a família de Haghnejad não tem nenhuma ideia sobre seu paradeiro. Acredita-se que ele esteja preso sem acesso a um advogado.


ÍNDIA

Cristãos convertidos são atacados e espancados

Traz uma grande preocupação ver como os cristãos são regularmente atacados na cidade de Karnataka por nacionalistas hindus, enquanto as autoridades “fazem ‘vista grossa’, porque a sua sobrevivência política depende desses grupos”, denuncia Sajan Geroge, presidente do Conselho Global de Cristãos Indianos (GCIC).

Bhasker Naik, 20 anos, e Hemanth Naik, 22, que moram na aldeia de Mank, trabalharam por mais de um ano na cidade de Udupi, empregados de uma empresa privada do país. Cerca de seis meses atrás, os meninos começaram a seguir os sermões do pastor Sadananda, da Igreja da Comunhão com Cristo, em Hiberettu, e se converteram ao cristianismo. Em 7 de setembro os dois voltaram para sua aldeia, mas alguns ativistas do Bajrang Dal (grupo hindu ultranacionalista) souberam das conversões e começaram a agredi-los, ordenando-lhes que voltassem ao hinduísmo.

“Desde maio de 2008, quando o BJP  chegou ao poder em Karnataka, a liberdade de culto na região para a comunidade cristã está sob ameaça, mesmo quando se trata de casas particulares”, disse Sajan George.

“Nossos locais de culto estão sob controle constante de forças fundamentalistas, que sistematicamente não deixam os fiéis orarem nem realizarem cultos, agredindo pastores e membros. Enquanto isso, a polícia está cada vez mais disponível para acusar e prender os cristãos.”

UZBEQUISTÃO


Na primeira semana do mês de setembro, a polícia do Uzbequistão visitou um pastor e achou muitos itens em sua casa. Eles acharam muitos livros de literatura cristã, os quais eles confiscaram.


No começo do mês de agosto, o pastor já tinha sido indiciado a ser preso por 15 dias. Isso significa que ele não ia para prisão imediatamente, mas que ele seria preso novamente se eles descobrissem que ele ainda continua com suas atividades cristãs.


Por favor, ore pelos seguintes pontos:

•    Para que esse pastor não seja preso pelas autoridades.
•    Para que Deus dê coragem e ousadia para o pastor enfrentar essa dura situação.
•    Ore pelas atividades da igreja no Uzbequistão.
•   Ore para que Deus proteja a Igreja do Uzbequistão, pois muitos pastores estão sendo presos e vigiados de perto pela polícia.

Por Miss. João Batista Domingos


quarta-feira, 14 de setembro de 2011

VISÃO DE DEUS


Provavelmente, os olhos são os principais membros do corpo. São através deles que podemos nos atentar para o que nos cerca. Como é ruim a vida de um cego. Não poder ver as cores do céu nem mesmo contemplar a sua propria face. Se formos classificar os sentidos, a visão, muito provavelmente, vai estar em primeiro lugar. É muito importante enxergarmos. Nós, como parte do Corpo de Cristo, não podemos limitar nossa visão à vida humana. O Senhor quer que a sua Igreja tenha a visão espiritual das coisas que acontecem. A visão que a Igreja tem que ter é a visão de Deus.

Visão de viver somente pra Deus, viver a vida que Ele nos deu, uma vida que não é para nós mesmos.

Visão de não se alinhar com esse mundo, nem se conformar com o presente século.

Visão de andar na contra mão do mundo, vivendo o verdadeiro Evangelho, que está longe de qualquer engano e falsificação.

Visão de ser um verdadeiro discipulo de Jesus, andando como Ele andou, vivendo como Ele viveu, amando como Ele amou, até o fim.

Visão de seguir os passos de um Mestre, maior do que qualquer filosofia ou pensamento humano.

Visão de viver em santidade, mesmo que o mundo seja mal, e esteja completamente corrompido e depravado. Com essa santidade, e somente com ela, poderemos ver a Deus.

Visão de acreditar no impossível, mesmo que tudo se mostre contrário. Visão de obedecer. Obedecendo estaremos cumprindo a vontade, andando nos trilhos, buscando a perfeição.

Visão do Amor. Amor incondicional. Amor que não faz acepção. Tendo um coração humano realmente é difícil amar como Jesus amou, por isso que devemos ter um novo coração, que ama até mesmo os inimigos.

Visão de conquista. Conquista das batalhas desta vida. Apesar de tudo, todas as guerras que enfrentamos aqui, principalmente aquelas contra o inimigo de nossas almas, não hão de se comparar à glória que um dia teremos. Que nos revistamos da armadura da fé, para vencermos.

Visão de esperança. Esperar no tempo que Deus está preparando para nós. Se tivermos esperança não viveremos ansiosos. E não devemos andar preocupados pois se nosso Pai veste tão bem os lírios do campo, que tem um tão breve curso de vida, quanto mais a nós, escolhidos para viver uma vida semelhante à dEle.

Visão da Esperança. Esperança de vida eterna, que começa quando aceitamos a Jesus, abrimos nosso coração e devolvemos nossa vida ao controle dEle. Ele um dia voltará para  nos levar à pátria preparada para nós desde a fundação do mundo. Nesta esperança é que temos paz, aguardando esse tão esplendoroso dia. Jesus Cristo é a nossa paz.

Visão de liberdade. Liberdade conquistada com sangue, um sangue carmesim vertido num madeiro por mim e por você, por todo o mundo. O véu foi rasgado e a graça derramada sobre nós. Liberdade temos para viver na plenitude da Sua vida esperando sua vinda.

Visão de Fé. Fé que move montanhas, que parece loucura para os homens, mas que assim como a mensagem da cruz, é poder de Deus. Fé em um Deus invisívil que se manifesta visivelmente em toda a criação.

Visão de luz. Pois Ele é um manancial de vida, que fez manifestar Sua luz à nós. Luz que dissipa toda treva que há nesse mundo tenebroso. Luz no fim do túnel: esperança sem fim, que nunca morre.

Visão celestial. Visão de ajuntar tesouros no céu, onde a traça não destrói, nem a ferrugem corrói e nem o ladrão pode roubar.

Visão de vitória, pois a maior vitória já foi conquistada na cruz há mais de dois mil anos. Cada cravo daquela cruz, cada uma daquelas chicotadas, toda aquela agonia foi porque Jesus tornou-se o pecado, o opróbrio do mundo para que atraísse todos a Ele, com sua ressurreição.

Visão missionária. Uma complementação da visão do amor, pois se formos movidos com o Amor de Deus, o verdadeiro amor, seremos constrangidos a levar as Boas Novas a todos os lugares desta terra. Olhar com Seus olhos, tocar com Suas mãos, abrir mão do reconhecimento humano para ser conhecido no céu, como uma Atalaia do Exército de Cristo. Evangelizando com nossas vidas. Se necessário, usando palavras. Alcançar os confins da terra é o desejo de Deus, e Ele nos comissionou para tal. Não nos deixou sós, mas nos enviou seu Consolador, o Espírito Santo, e Ele mesmo estará conosco até a consumação dos séculos.

Visão de Vida abundante. Vida abundante que está longe de mansões, carros de luxo ou fama, mas que abunda da graça divina, que é melhor que nossa própria vida. Vivendo com as virtudes do fruto do Espírito. Abrir mão deste mundo por uma pátria muito melhor, ao lado de um Salvador Eterno, cheio de amor para nos dar, para um júbilo sem fim.

Para termos a Visão de Deus devemos estar focados nEle. Você já viu alguém acertar um tiro em um alvo sem uma boa mira? Cristo deve ser o Alvo de nossas vidas e sua Palavra, nossa mira. O Deus que nos criou, que planejou nossa redenção e consumou toda a obra mesmo que não mereçamos.

Que nossos olhos estejam sempre em Deus, para nunca nos afastarmos dEle, para que não tropecemos nas pedras que estão no caminho nem nos machuquemos nos espinhos que querem nos ferir. A caminhada é difícil. É estreito o caminho, mas é só Ele que nos conduz à Vida. Só Jesus tem palavras de Vida. Que nunca abandonemos a fé.

Ponhamos nossos olhos em Deus, e Ele dissipará toda treva, nos dará alegria completa e força para a caminhada. Não nos esqueçamos que Ele é nosso alvo. Pensemos em Seus atributos maravilhosos,  em tudo que Ele é e em tudo que já fez por nós. Vamos seguir seus passos pedindo Sua orientação. E quando precisarmos, peçamos para Ele limpar nossos olhos.

Hoje não o contemplamos perfeitamente, só como espelho, pois nossa natureza pecaminosa não nos permite. Haverá um dia, e não está longe, que seremos transformados e iremos para a Glória. Os sinais nos avisam: JESUS ESTÁ VOLTANDO. Que ponhamos nossos olhos em Deus e nos entreguemos  completamente à Visão dEle para nós. Não há ninguém tão lindo quanto Ele para onde podemos olhar.

Por Luiz Pereira

video

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

DEPENDÊNCIA OU MORTE!


Caro leitor, estava me lembrando que ontem foi 7 de setembro e não escrevi nada por aqui. Faz dias que o Ee-taow não é atualizado. Perdão se você vem aqui e não encontra um texto novo. O tempo está corrido. Assim que pudermos sempre postaremos algo para edificar nossas vidas.

Mas voltando ao fato de ser 7 de setembro, observe só que o título do post não está errado. D. Pedro II proclamou a indepêndencia do Brasil de 1822 às margens do Ipiranga declarando “Independência ou morte!”. Nesse post, quero te levar a uma meditação sobre outro brado: “Dependência ou morte!”. Isso mesmo: DEPENDÊNCIA.

Somos muito pressionados a confiarmos em nosso próprio esforço, em nossa própria inteligência, em nossa própria religião, em nossa própria justiça, enfim, confiarmos em nós mesmos. Fiz um trabalho dia desses sofre filosofia e ciência que tratava um pouco disso: os filósofos põem a sua fé na salvação através de si mesmos, enquantos os cristãos confiam inteiramente em Deus.

O triste é imaginar que um filósofo explicou isso. Não sei se ele crê ou não em Deus, mas só sei que ele está certo. Os cristãos [nós] é que às vezes não estamos vivendo o que dizemos crer. Não confiamos na provisão de Deus, não confiamos no agir de Deus, não abrimos mão de nossas preocupações e entregamos tudo ao Senhor. Preferimos nos estressarmos tentando resolver as coisas no nosso braço do que confiar na mão potente e poderosa de Deus.

Como é triste ver isso nos dias de hoje, na vida de outras pessoas e nas nossas vidas também. A Bíblia está recheada de exemplos de não-dependência de Deus: Sara quis apressar a promessa de Deus a Abraão e deu Agar por esposa a ele, o que no futuro gerou não poucos problemas; Rebeca, mesmo sabendo que Jacó seria o escolhido de Deus, preferiu armar uma mentira muito bem contada para que Deus não errasse na bênção; Moisés feriu a rocha quando Deus não tinha dito a ele para fazer isso, o que lhe custou a não entrada na terra prometida... Esses são alguns exemplos.

Mas o mundo nos leva a não dependermos de Deus. Essas ideias de auto-estima, até mesmo nas igrejas, amaciam o ego e põem nossos olhos distantes de Deus. Deus deseja que nós dependamos completa e inteiramente dEle, e só dEle.

Devemos depender de Deus para nos salvar. Por nossos esforços não poderemos escapar da condenação. Não são obras que nos levarão à salvação, como é bem enfatizado por Paulo em boa parte da carta aos Romanos. Devemos confiar na cruz. Olhe para a cruz e confie! Desapegue-se do seu ego, desapegue-se do seu ponto de vista, desapegue-se! Dependa da cruz! Não viva sem a cruz!

Devemos depender de Deus não ‘só’ para salvação. Depemos depender de Deus para tudo. Deus não nos reparte. Ele não deseja de nós apenas um pouco. Ele nos quer completo. Você o acha muito exigente? Não! Ele só deseja o melhor para nós, que é Ele.

Devemos ter em nossos corações a ideia de dependência de Deus. Seja para dormir, para comer, para pegar um caminho, para fazer uma prova, para começar um relacionamento, para escolher onde se congregar, para falar, para pensar, para agir, para TUDO! Depender de Deus é a melhor dependência que pode existir. Dependa só dEle e você não precisará mais de nada.

É difícil depender. Não pense que porque escrevo isso não acho difícil depender de Deus. Não! Mas a dependência por Ele tem que estar em nossos corações. Ele não nos decepcionará, podemos ter a certeza.

Se não dependermos dEle, estaremos fadados à morte. É isso mesmo. Seja a morte final [da condenação], seja a morte espiritual enquanto estivermos aqui na terra. Nosso relacionamento com Deus exige dependência.

Que queiramos viver e depender de Deus durante todos os nossos dias!

Um abraço em Cristo,

Luiz Pereira.